“Tribalismo cosmopolita surge da democratização da criatividade, da jovem cultura experimental: uma geração multi-tarefas, sintonizada no mundo, armada de liberdade e das ferramentas para criar e mixar referências do seu jeito, maximizando o sentido de celebração através de códigos visuais, colagens, padrões geométricos, texturas psicodélicas e elementos da street art e da pintural facial.”
Eu tentei traduzir um pouco da explicação da BOX1824 sobre o estudo feito a respeito da geração “Globalista”, ou ainda, os Millennials, denominado pelo projeto de cosmopolitan tribalism. O vídeo mostra diversas referências visuais que traduzem o comportamento destes jovens nascidos entre 1980 e 1995. Preciso dizer que adorei a parte que mostra os conceitos: shape-shifting e sacred geometry. Acho que só nesses 2 conceitos já poderia citar o trabalho de boa parte das pessoas que conheço. Excelente estudo e vídeo, confira!

Anúncios

Por volta de 1982 o site sobre Abe Vigoda questionava se ele estaria morto/vivo ainda. Talvez tenha sido ele o primeiro de vários dos sites que se seguiram de perguntas e respostas sim/não sobre algum tópico cotidiano: Is it Tuesday?  Is it Christmas?  Is Obama president? Is twitter down?

Are sites consisting of one word answers to a geeky observation getting old?

Picture 63

Um projeto criticando exatamente essa nova moda na internet, do criador de The big word project!

Depois de ler algumas linhas sobre o famoso contador de histórias, Jonathan Harris e explorar seus projetos sobre como as pessoas são fascinantes; comecei a me deparar cada vez mais com sites assim:

Picture 41

Picture 44

Sites que se propõem a entender pequenos amores humanos, como é o caso do exemplo acima, My happy Things. Você, uma câmera na mão e seu objeto mais adorado, mais importante, que mais representa a sua vida. Muitas histórias incríveis!

Picture 43

Sites que centralizam sua comunicação em perguntas às pessoas. Como se sentem, os seus sonhos e suas percepções de mundo. Como é o caso do site The Optimist Conspectus, aonde pessoas do mundo todo escrevem algumas linhas sobre suas razões para se sentirem otimistas. Qual a sua razão?

Picture 42

Sites que constroem seus serviços com base no conteúdo colaborativo de forma criativa, como é o exemplo do IfeelNYC. As pessoas contribuem com sugestões e idéias de lugares para curtir NY através de um filtro muito inteligente: os sentimentos. Se você está se sentindo energética, de ressaca ou feminina, existem dicas específicas para você! Sensacional essa idéia!

Por esses projetos a gente viaja nos pensamentos, nas histórias das pessoas…e temos um pequeno panorama do que o mundo esta sentindo, pensando, vivendo. E ai você repara que não está sozinho nas suas idéias, nos seus sonhos. A internet se torna um pouca mais agregadora do que a gente imaginava. Sabe por que? Porque as pessoas são fascinantes de se conhecer!

Boas idéias

maio 18, 2009

Esse projeto patrocinado pela Nokia promove idéias de alguns pensadores sobre a internet, tecnologia e consumo. O meu vídeo favorito é este abaixo: Tim Brown descreve como um bom negócio atrai mais participantes do que meros consumidores.

Coworking

maio 8, 2009

homepage2

Esses dias, na televisão, conheci o Paragraph. Um lugar aonde escritores freelancers filiam-se para trabalhar e escrever num espaço silencioso e confortável, aberto 24 horas. Um dos entrevistados disse: ” Aqui é um lugar para os desempregados sentirem que têm um trabalho. O Paragraph virou uma espécie de grupo de apoio para os escritores que sofrem com a dificuldade de ganhar dinheiro e publicar suas idéias.”

Em São Paulo já existem idéias parecidas. A ponto de contato é um desses lugares, que abraça esse novo conceito, chamado Coworking:

Coworking é um novo padrão de trabalho. É trabalhar junto, colaborar e conviver. Surgiu quando profissionais autônomos e home officers cansaram de trabalhar isolados dentro de casa, nos cafés ou em hotéis. A solução foi juntar-se em escritórios coletivos para trocar ideias, conhecimentos, experiências e pedir opiniões. A única coisa ruim da versão brasileira dos ambientes “freelancer-friendly” é que eles não funcionam 24horas.

Em tempos de recessão, onde os números de freelancers só aumenta, fica ae a minha dica: que tal um espaço desses por aqui?!

Steal this film

abril 27, 2009

E um ótimo link a respeito do dia em que o tráfego internet entre a suécia e o resto do mundo caiu pela metade.

Jonathan Harris

abril 24, 2009

A paixão da Lu passou pra mim. Um antropólogo on-line.